:::: MENU ::::
  • As respostas para perguntas que poucos fazem.

  • Conteúdo de qualidade, gratuito e legal.

  • Discussões saudáveis. Um espaço para sua opinião.

11/03/2015








 

Human é um documentário com uma proposta única. Nada, além dele mesmo, já se propôs a analisar a natureza humana com tanta precisão filosofia e beleza.

O documentário é construído com relatos de pessoas ao redor do mundo. Histórias fortes e sutis se misturam para construir a análise da própria raça humana. Como se não fosse o bastante, os depoimentos muitas vezes trazem lições surpreendentes simplesmente impossíveis de encontrar em outras fontes. Human é uma filosofia única, um documentário capaz de mudar uma vida e de pôr uma visão individualista claramente na sua real dimensão.





Aos que buscam experiências etnográficas, encontrarão em Human um exemplo único das diferenças e pontos de vista entre as culturas, não em um aspecto geral de sociedade e cultura, mas em um aspecto que parte do nível pessoal, arrisco-me ao dizer que também familiar, para a construção da ideia de uma sociedade, ou cultura, diferenciada.






O documentário é também um conjunto de lições de vida, a quebra de tabus há muito inquestionáveis, a amostra de como a forma de viver e de ver podem ser diferentes e cabíveis. Human é documentário, mas é também filosofia e arte.




11/01/2015




Para que este texto não seja sobre minha vida, sobre pontualidades breves e instantâneas ou, talvez, ditos falsos, mas agradáveis de se ouvir, rogo a necessidade de me fazer mais ou menos que eu mesmo. Destituir-me da pele que me encobre é, também, fazer da ponte, da vista, da metáfora, a conexão de um borrão transcendente por natureza, com uma exatidão inesperada, posto que esta esteja, ao menos, no fim da ponte. A ponte, que também é metáfora, faz-se um silêncio bruto, o texto, a impessoalidade que chega até ela.

Eis que há, defronte ao borrão, uma ponte de exatidão inexorável, de fisicidade distinguível de todo o mais. Como todas as pontes, é o caminho seguro de uma poesia física, mas que constitui a alma. Toda ponte, das que levam para o lado do outro, é uma ponte real. Mas qual era a ponte que se exibia charmosa? Qual era esta que me fazia cruzar algo que eu mal notara (um rio?) para um outro lado já, agora, cada vez mais preciso, embora ainda sem nome?

Era a ponte que levava para o outro lado a nossa escassez pessoal, fruto da secura que já não entendia mais, que também constituía na carne, madeira, folhas e luz, a poesia que não me era mais nada, até ali, claro.

O ferrugem rugia como poeta fervoroso, corroía os últimos traços da ponte indicando, arriscadamente, que aquela poderia não ser eterna. Sua necessidade, deveras, faria dela lendária. Resistiria como ponte e fazer-se ia muitas na memória dos seus visitantes. Cada ponte filha da sua fisicidade, meramente resguardada dentro de todos que a conheceram e apertaram sua mão, faziam dela a repetição contínua e eterna que guiava a poesia para fora, sem removê-la de dentro. Feitos impossíveis, exceto para a poesia.

O que me garante a ainda existente satisfação, assim como de todos que seguiram, companheiros, pela mesma ponte, é a certeza primária da eternidade de quem faz o que é único.


113 anos de Drummond, são 113 anos da poesia que se faz, pelo físico, a representação mais fiel do sentimento mais completo.


113 anos de Drummond

Algo a dizer? Contate-nos